terça-feira, 30 de agosto de 2011

Discribing People

Modal Verbs

Revisão - Modal verbs

What are they doing?

Comparatives

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Sugestões de como trabalhar gêneros textuais

Pereira (2007, p.3) realça a importância de articular gêneros textuais e
gramática no ensino de línguas enfatizando que não se trata de abordar ou gêneros ou tópicos gramaticais, mas sim “conciliar por meio da gramática ‘forma e função’, ou seja, identificar e compreender como recursos gramaticais estão a serviço dos diversos objetivos intencionais dos interlocutores.”
Marcuschi (2005) sugere que alunos sejam estimulados a analisar diversos
gêneros, tanto escritos quanto orais, para assim identificar as particularidades de cada um e, ao mesmo tempo, sejam estimulados também a produção escrita. Segundo o autor, os gêneros a serem trabalhados devem, progressivamente, se tornarem mais complexos.
Dolz et al. (2004, p.120) salientam a necessidade de se pensar no ensino de
cada gênero em específico, contemplando suas especificidades como, por exemplo, tempos verbais. Gêneros que apresentam regularidades lingüísticas e permitem possíveis transferências de características formais podem ser agrupados. Por exemplo, consoante os autores, textos com função comunicativa semelhante, como aqueles cujo objetivo é descrever ações, instruções e prescrições, possibilitam o agrupamento de diferentes gêneros: “instruções de montagem; receita; regulamento;regras de jogo; instruções de uso”. Na legislação, mais especificamente, no documento Orientações para Ensino Médio (BRASIL 2006, p.110), é enfatizada a necessidade de se pensar um ensino de Língua Estrangeira que não tenha a gramática como principal objeto de estudo, mas sim o entendimento do uso da linguagem com fins comunicativos conforme situações de comunicação vivenciadas no cotidiano dos alunos.
Em vez de partir de uma regra gramatical, pode-se partir, como muitos já fazem, de um trecho de linguagem num contexto de uso. Para práticas novas de linguagem, como as que ocorrem na comunicação mediada pelo computador, o educador idealmente tem de fazer uma análise própria das regras que estruturam a linguagem nesse contexto novo.
Competências e Habilidades a serem desenvolvidas em Língua Estrangeira Moderna
Representação e Comunicação
Escolher o registro adequado à situação na qual se processa a comunicação e o vocábulo que melhor reflita a idéia que se pretende comunicar.
Utilizar os processos de coerência e coesão na produção oral e/ ou escrita.
Usar as estratégias verbais e não-verbais para compensar as falhas, favorecer a efetiva comunicação e alcançar o efeito pretendido em situações de produção e leitura.
Conhecer e usar as línguas estrangeiras modernas como instrumento de acesso a informações sobre outras culturas e grupos sociais.
Investigação e Compreensão
Compreender de que forma determinada expressão pode ser interpretada em razão de aspectos sociais e/ ou culturais.
Analisar os recursos expressivos da linguagem verbal, relacionando textos/contextos quanto à sua natureza, função, organização, estrutura, segundo as condições de produção/recepção (intenção, época, local, interlocutores participantes da criação e propagação de idéias e escolhas, tecnologias disponíveis).
Contextualizaçãosócio-cultural
Saber distinguir as variedades lingüísticas.
Compreender em que medida os enunciados refletem a forma de ser, pensar, agir e sentir de quem os produz.

Fonte: Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Médio. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Conhecimentos de Língua Estrangeira Moderna. p. 63
Assim, à luz dos PCNs, o ensino-aprendizagem de língua estrangeira no nível médio deve ser pensado em termos de competências abrangentes e, não, estáticas, pois sendo “a língua o veículo de comunicação de um povo, é através de sua forma de expressar-se que esse povo transmite sua cultura, suas tradições seus conhecimentos” (PCNs : 61). Uma vez que a visão de mundo de cada povo sofre alterações em função de vários fatores, a língua também se modifica para poder expressar as novas formas de representar a realidade. Daí ser fundamental, como lembram os referidos documentos, conceber-se o ensino de uma língua estrangeira a partir da comunicação real ou mais autêntica possível, pois, dessa forma, os diferentes elementos que a compõem estarão presentes, dando amplitude e sentido à realidade.
Baseando-nos na idéia de gênero como (mega) instrumento para agir em situações de linguagem (Dolz e Schneuwly, 1996) e na concepção de Marcuschi (2000) de que o gênero textual é uma forma concretamente realizada nos diversos textos empíricos, sustentamos que o aprendiz tem que adquirir o domínio sobre as formas e as possibilidades dos diferentes gêneros como parte do processo de aprendizagem do falar e do escrever. Para
isso, é preciso que o professor crie um espaço potencial de desenvolvimento de modo que esse aprendiz obtenha, na zona de desenvolvimento proximal (ZPD), um maior domínio das características que definem um gênero. Segundo aqueles lingüistas, e numa perspectiva bakhtiniana, um gênero se define por três dimensões essenciais:
• os conteúdos, que se tornam dizíveis através do gênero;
• a estrutura (comunicativa) específica dos textos pertencentes ao gênero;
• as configurações específicas das unidades de linguagem que são, sobretudo, traços da posição enunciativa do enunciador e, os conjuntos particulares de seqüências textuais e de tipos discursivos que formam sua estrutura.
Aliado ao conhecimento dessas três dimensões essenciais a um gênero, é preciso que o ensino da comunicação oral ou escrita se realize por meio da interação de três fatores: as práticas sociais, ou mais especificamente, as mediações comunicativas, onde a produção da linguagem é feita sobre os gêneros; as capacidades de linguagem, por meio das quais o aprendiz evoca seu conhecimento para produzir um gênero numa situação de interação determinada e as estratégias de ensino, que o aluno vivencia mediante atividades comunicativas diversificadas, a fim de organizar sua aprendizagem e apropriar-se de gêneros distintos.
Além da interação desses três fatores acrescente-se que, ao interagir oralmente ou por escrito no contexto escolar, os alunos precisam entender como a forma da língua e a estrutura organizacional dos vários gêneros textuais fornecem recursos para apresentar a informação e interagir com outros.
Aprendem, portanto, a escolher os padrões lingüísticos apropriados aos significados que tentam criar. Uma das metas do professor consiste, então, em ajudar os alunos a reconhecer e a usar tais padrões lingüísticos. Isso significa que, nas situações escolares, os alunos não só aprendem a construir o significado, como os criam, por meio do uso do discurso, através da construção de texto.
Loading...